Asma: como prevenir as crises?

Pessoas com asma têm as vias respiratórias sensíveis a estímulos como poeira, mofo e ácaros. Após o contato com algum destes “gatilhos”, elas se inflamam, ficam inchadas  e ocorre uma diminuição do espaço para a passagem de ar. Ocorrem, então, chiado, tosse,  falta de ar e sensação de aperto no peito.

Os fatores que desencadeiam a crise de asma variam de uma pessoa para a outra. Para um paciente com o problema, é muito importante descobrir quais são seus gatilhos e tentar evitar a exposição a eles.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Gatilhos da asma alérgica e não alérgica

Asma Alérgica

A asma alérgica é aquela desencadeada pelo contato com substâncias que estimulam reações alérgicas no organismo.

Os alérgenos mais comuns são:

  • ácaros;
  • poeira;
  • pólen;
  • caspa e saliva de animais de estimação;
  • fezes de baratas.

Asma Não Alérgica

A asma não alérgica, mais comum em adultos, pode ser causada por:

  • infecções respiratórias;
  • agentes irritantes (fumaça de cigarro, poluição, cheiros fortes, ar frio e seco);
  • medicamentos;
  • aditivos alimentares;
  • exercícios físicos;
  • estresse e ansiedade;
  • doença do refluxo gastro-esofágico.

Ácaros e poeira

Os ácaros são artrópodes microscópicos que vivem na poeira das casas. Eles se alimentam dos restos de pele humana, descamada e depositada nas roupas de cama, colchão, travesseiros, tapetes etc.

Um ambiente quente (20 a 30˚ C) e úmido é mais favorável à sobrevivência dos ácaros.

Algumas proteínas no corpo dos ácaros e as suas fezes são agentes comuns de alergias respiratórias. Logo, eliminar esses alérgenos, especialmente no quarto de dormir, é uma medida essencial no controle da asma.

E como fazer isso?

  • Elimine tapetes e carpetes;
  • Evite cortinas ou opte por modelos lisos e facilmente laváveis, como blecautes ou persianas;
  • Evite móveis e objetos de decoração que acumulam poeira;
  • Não guarde livros, brinquedos e bichos de pelúcia no quarto;
  • Use capas anti-ácaros no colchão e travesseiros;
  • Use lençóis de algodão e edredons de material sintético (eliminar mantas e cobertores, especialmente de lã);
  • Use travesseiros e almofadas de material sintético;
  • Lave os lençóis, almofadas e edredons em água morna (>55˚ C) e secando-os ao sol durante, pelo menos, 3 horas;
  • Limpe, diariamente, o quarto e outros locais da casa onde o paciente alérgico fica mais tempo. Faça isso com um aspirador de pó e pano úmido, e afaste o paciente asmático do ambiente durante a limpeza e por mais 30 minutos;
  • Ventile os ambientes para evitar a umidade e o mofo;
  • Mantenha as portas de armário e gavetas bem fechadas e fazendo uma limpeza completa deles a cada três meses.

Pólen

O pólen das flores está sempre presente no ar que respiramos, na grama, em plantas, nos canteiros e até mesmo nos vasos dentro de casa.

Em pacientes sensíveis, o pólen causa rinite alérgica e pode desencadear crises de asma.

Na época da primavera, quando a quantidade de pólen é maior, o uso de filtros purificadores de ar dentro de casa é uma boa opção, inclusive para eliminar, também, ácaros e fungos do ambiente.

Animais domésticos

Os animais, especialmente os gatos, possuem diversos tipos de alérgenos em seus pelos, como as escamas de pele (caspas) e a saliva seca.

Cães e gatos devem, então, ser evitados dentro de casa ou, pelo menos, no quarto de dormir (nunca deixar o pet subir na cama!). Um banho semanal reduz a quantidade de alérgenos no pelo.

Baratas

As fezes de baratas contêm substâncias que podem desencadear crises de asma em pessoas susceptíveis. Então, evitar uma infestação é primordial.

O combate químico com hidrametilnona (iscas contidas em dispositivos plásticos) é o mais indicado para o ambiente de pacientes alérgicos e asmáticos. Outras opções são o fipronil, abamectin, hidroprene ou fenoxicarbe.

Infecções respiratórias

Infecções respiratórias como resfriado, gripe, bronquite e sinusite, por exemplo, causam a inflamação das vias aéreas e o aumento da produção de muco, além de poderem desencadear as crises de asma.

Agentes irritantes

Fumaça de cigarro, poluição, cheiros fortes de perfumes/produtos de limpeza e substâncias químicas variadas podem desencadear crises de asma. Além disso, o ar frio e seco pode irritar as vias aéreas.

Fumantes têm mais chance de desenvolver asma porque o tabaco danifica os pequenos cílios das vias respiratórias, responsáveis por remover poeira e muco. A consequência é o acúmulo desses fatores irritativos e a inflamação crônica.

Portanto, se você tem asma e fuma, interromper o tabagismo é uma das medidas mais importantes para proteger os seus pulmões. E, acredite, ser fumante passivo é até pior! A fumaça do cigarro contém ainda mais substâncias tóxicas do que aquela inalada pelo fumante.

Filhos de mães que fumaram durante a gestação têm mais problemas pulmonares e 10 vezes mais chance de desenvolverem asma.

Medicamentos

Alguns medicamentos causadores de asma em pacientes sensíveis são:

  • aspirina;
  • anti-inflamatórios (ex: ibuprofeno, naproxeno);
  • beta bloqueadores (via oral ou tópica, no caso dos colírios de glaucoma).

Aditivos alimentares

Algumas substâncias adicionadas aos alimentos para preservá-los, melhorar o sabor ou a cor podem causar diferentes reações no organismo de algumas pessoas.

Os preservativos mais associados à asma são os sulfitos, geralmente utilizados para evitar que o alimento fique marrom após contato com o ar.

Eles são encontrados no vinho, frutas secas, suco de uva verde, camarão fresco e algumas geleias.

Exercícios físicos

Na maioria dos pacientes com asma, exercícios intensos podem desencadear uma crise. A recomendação, então, é sempre fazer um aquecimento gradativo antes da atividade física.

Estresse e ansiedade

Emoções fortes, estresse e ansiedade podem desencadear crises de asma.

Doença do refluxo gastro-esofágico

A associação entre o refluxo gastro-esofágico e a asma é frequente nos adultos. O refluxo do conteúdo ácido do estômago para o esôfago, ao atingir a garganta, pode desencadear uma crise.

Recomendações finais

Existem vários medicamentos para tratar a asma. É importante destacar que  o uso isolado de broncodilatadores (por auto medicação) não consegue controlar a doença e evitar a sua progressão. É essencial o acompanhamento de um especialista para definir quais são os medicamentos mais adequados para cada paciente.

Além disso, é importante identificar os gatilhos individuais da asma e evitá-los sempre que possível. Porém, descobrir quais são esses estímulos pode ser um desafio, pois as crises podem ocorrer logo após a exposição a eles, ou dias/semanas depois.

Outra medida importante para o paciente asmático é cuidar da saúde geral por meio de uma boa alimentação e hidratação, atividades físicas regulares e controle do peso. Além disso, mantenha sua vacinação em dia, especialmente contra a gripe.

Texto: Celso Dilascio | Pneumologista | CRM-MG:26440

Leia também:

Siga nossas redes sociais: